Sudão do Sul, o apelo da Igreja para ajudar o povo que sofre

As origens da crise

“Estou profundamente preocupado com a situação que corre o risco de aumentar a desnutrição, a doença e a morte dos mais vulneráveis”. São palavras de Dom Kussala de um país onde os deslocados vivem “sem abrigo, sem água e sem comida”. A origem da recente crise deve-se à violência que eclodiu em meados de junho, quando homens armados se lançaram contra pessoas desarmadas, atirando, saqueando e queimando casas e colocando mais de 21.000 pessoas, metade delas crianças, em fuga. Segundo o prelado, as tensões são devidas à forte instabilidade política local, que impede o governo de intervir em campo. Na sua declaração o prelado recorda que os sudaneses do sul já estão “sofrendo pela pandemia da Covid-19 e por anos de conflito e insegurança”.

Mobilização diocesana da ajuda

Por esta razão, Dom Kussala convidou todas as 35 paróquias e os departamentos da Diocese Católica de Tombura-Yambio para lançar, em 4 de julho, uma mobilização geral com recursos de todo tipo: dinheiro, comida, roupas, camas, barracas, de modo a ajudar nossos irmãos e irmãs necessitados. A organização diocesana para o desenvolvimento e a paz coordenará as iniciativas humanitárias e monitorará constantemente a situação.

Fonte: Vatican News