Olimpíadas, igrejas fechadas aos atletas por causa da pandemia

A área metropolitana de Tóquio está novamente em estado de emergência para deter a nova onda da Covid-19. A medida coincide com o período das Olimpíadas, que iniciam em 23 de julho e todas as competições serão realizadas sem a presença do público. Nesta situação, a arquidiocese de Tóquio também decidiu adotar medidas rigorosas para que o evento esportivo não se torne uma nova oportunidade para a disseminação da infecção. Estas medidas foram anunciadas em uma mensagem do Arcebispo Tarcisio Isao Kikuchi para os fiéis da arquidiocese.

Não visitar as igrejas

No texto, o prelado explica que nas igrejas de Tóquio as disposições emitidas em 20 de junho permanecem em vigor e que já preveem – entre outras coisas – a presença nas igrejas para celebrações apenas de um número limitado de pessoas com a devida distância e registradas na paróquia, a indicação aos idosos e aos doentes para rezar em casa (com a dispensa da obrigação do preceito dominical), o convite para fazer todos os encontros paroquiais on-line, a presença de barreiras transparentes entre o sacerdote e o penitente para confissão. A tudo isto, Dom Kikuchi acrescenta o convite aos atletas e suas delegações que chegarão ao Japão para se absterem de visitar as igrejas, lembrando que o princípio orientador seguido pela Igreja de Tóquio na pandemia sempre foi “não se infectar e não permitir que outros sejam infectados”. Por fim, ele lembrou a preocupação de permanecer próximo aos necessitados, com especial atenção aos que estão trabalhando com a crise criada pela pandemia.

Impedir o aumento da pandemia

Em seu esforço prolongado para controlar a propagação da infecção da Covid-19, o governo decretou pela quarta vez o estado de emergência para uma área limitada, incluindo a metrópole de Tóquio, e durará de 12 de julho a 22 de agosto. Os Jogos Olímpicos de Tóquio, que começam em 23 de julho, e os Jogos Paraolímpicos, que começam em 24 de agosto, serão realizados em diferentes áreas, mas afetarão principalmente a área metropolitana de Tóquio. Com a declaração de estado de emergência, espera-se que os eventos sejam realizados sem a presença do público. Ao mesmo tempo, porém, o encontro de atletas e as delegações de todo o mundo está deixando o governo preocupado sobre um possível aumento do número de casos de infecção por coronavírus.

Nos últimos anos, a Arquidiocese de Tóquio havia considerado a possibilidade de garantir que cada paróquia pudesse atender às necessidades espirituais das muitas pessoas que viriam ao Japão para este evento internacional. No entanto, decidimos cancelar todos esses planos e, portanto, não haverá nenhum envolvimento especial de nossa parte nas Olimpíadas e Paraolimpíadas. Além disso, os que vierem para a área metropolitana de Tóquio durante este período receberão informações sobre as medidas preventivas tomadas nas paróquias contra a Covid-19 e serão solicitados a abster-se de visitar as igrejas. Sabemos que a campanha de vacinação está avançando. Eu mesmo já fui vacinado, assim como o Santo Padre. Mas nesta questão, cada pessoa deve tomar suas próprias decisões. Além disso, não estamos levando em consideração a ideia de tornar o fato de ser vacinado ou não um critério para permitir a participação na Missa.

Estado de emergência

Este ano começou com a declaração de estado de emergência e depois continuou com um protocolo especial de fortes medidas contra a Covid-19. A volta ao estado de emergência novamente afetou seriamente muitas pessoas, especialmente as envolvidas em atividades econômicas. A Equipe Arquidiocesana de resposta à emergências lançou através de seminários online atividades organizadas por paróquias e grupos de apoio para os necessitados. Lembremos que para nós é um dever importante proteger não apenas nossas próprias vidas, mas também as vidas de todos os que receberam de Deus o dom da vida. Acima de tudo, ao tomarmos as medidas adequadas contra a infecção da Covid-19, faremos tudo o que pudermos para atender às preocupações das pessoas necessitadas. Nesta difícil situação, que a mão misericordiosa do Senhor possa se estender através de nossa mão estendida às muitas pessoas que enfrentam crises em suas vidas.

Também, durante estes tempos de dificuldade, depositemos nossa confiança no Senhor Jesus que nos prometeu “Estou sempre convosco até o fim dos tempos” e reafirmemos nosso vínculo espiritual no único corpo que tem o Senhor como centro.

(Fonte: Vatican News / Ásia News)